SL 36 – Os sábios e os Iluminados no Banquete do ANFITRIÃO DA VIDA

 

Luncheon of boating party full - RENOIR

Luncheon of boating party full - RENOIR

O Poema 36 de Davi não tem uma classificação simples dividindo-se em afirmativas de sabedoria (versículos 1 a 4), uma celebração e louvor (Versículos 5 a 10) e um lamentação (11,12).

 Davi começa e termina o salmo conceituando o ímpio, que também não é sábio, e apontando o seu fim…: “Ta lá o corpo estendido no chão”

Lá estão os malfeitores caídos, lançados no chão, incapazes de levantar-se

Em meio as suas considerações sobre as pessoas maldosas ele irrompe falando de Deus como um contraste enorme. Diante da baixaria da existência das pessoas que só pensam e praticam maldades, Deus tem as suas virtudes e ações nas mais altas alturas.

A superficialidade do viver do tolo é denunciada diante das profundas e insondáveis decisões de Deus sobre a vida.

Davi conhece bem o amor fiel de Deus pelos seres humanos e pelos animais.

O salmista acredita que o Criador é o grande o defensor dos direitos dos humanos e dos animais.

A figura de um banquete extraordinário revela o amor cuidadoso e paciente de Deus pelos Seres Humanos.

Como é precioso o teu amor ó Deus! Os homens encontram refugio à sombra das tuas asas”.

Eles se banqueteiam na fartura da tua casa; tu lhes das de beber do teu rio de delicias”.

Talvez seja por isso que a opção pela maldade diante de tanta bondade só pode trazer prejuízos irreversíveis a todos que escolhem cuspir no prato que se arregalam.

 Davi crê que Deus deu a vida e o prazer no viver a todos os seres humanos. Todos eles, mesmo aqueles que preferem atender à voz do mal antes do que ouvir a voz de Deus sobre a Vida e o Viver.

 “Pois em ti está a FONTE DA VIDA; graças à tua luz, vemos a luz”.

Sábio e iluminado é todo aquele que aproveita o banquete da vida, reconhece o amor incondicional do Anfitrião da Vida e o respeita acima de todas as coisas.

Segundo Davi, e não é só ele, nem todo mundo é sábio e iluminado.