Passos que todos nós podemos dar….

 

Você conhece a CARTILHA ” SETE PASSOS para o enfrentamento da violência sexual infanto-juvenil ?

http://www.carlosbezerrajr.com.br/7passos/

Anúncios

Só o que agrega VALOR – Paradoxos Evangelicalóides.

Camaradas,

Confiram o texto abaixo e procurem adicionar aos seus FAVORITOS o BLOG http://www.pulpitocristao.com/ 

Parabéns rapazeada!

Belo texto Leonardo!

Na jornada,

Levi

Paradoxos evangelicalóides: Para crentes que não têm medo de pensar

Leonardo Gonçalves , , terça-feira, 27 de abril de 2010

Por favor, alguém pode me explicar por que palavras como “paixão”, “fogo”, “glória”, “poder” e “unção” vendem muito mais CDs do que “graça”, “misericórdia” e “perdão”?

Por que aqueles que mais falam sobre “prosperidade” evitam sistematicamente textos como Tiago 2:5, I Timóteo 6:8 e Habacuque 3:17-18?

Por que se fala tanto em dízimo, defendendo-o com unhas e dentes, mas quase nada se fala sobre ter tudo em comum e outras coisas como “ajudar os domésticos na fé” e “não amar somente de palavra e de língua mas de fato e de verdade”? Em qual proporção a Bíblia fala de uma coisa e de outra?

Por que em Atos 4, quando os apóstolos foram presos, a igreja orou de forma tão diferente do que se ora hoje? Por que não aproveitaram a ocasião pra “amarrar o espírito de perseguição”, pra “repreender a potestade de Roma”, ou coisa semelhante?

Por que Atos 2:4 é muito mais citado como modelo do que era a igreja primitiva do que Atos 2:42?

Por que todo mundo sabe João 3:16 de cor, mas tão pouca gente sabe I João 3:16?

Por que 90% ou mais dos cânticos congregacionais modernos são na primeira pessoa do singular (EU), quando a proporção nos salmos é muito menor?

Por que todo mundo aceita que Jesus curou e colheu espigas no sábado, aceita também que Deus ordenou que seu povo matasse vários povos rivais, mas se escandaliza absurdamente quando alguém diz que Raabe fez certo ao mentir para preservar duas vidas? O que vale mais, em situação de conflito, que um soldado pagão saiba a verdade ou a vida de dois homens? Será que se Raabe tivesse dito a verdade, teria sido elogiada em Hebreus 11?

Por que quase tudo que se vende numa livraria cristã foi produzido nos últimos 50 anos, se nosso legado é de 2.000 anos de História do Cristianismo? O que aconteceu com os outros 19 séculos e meio?

Por que os cristãos creem que o homem foi nomeado por Deus como o responsável pela criação, e que tudo que Deus criou é bom, mas são os esotéricos os que mais lutam pela defesa do meio-ambiente?

Por que todos os ritmos de origem na raça negra até hoje são considerados por alguns como diabólicos?

Por que se canta tanto sobre coisas tão etéreas como “rios de unção” e “chuvas de avivamento”, ao passo que Jesus usava sempre figuras do cotidiano para ensinar, como sementes, pássaros e lírios?

Por que se amarra, todos os anos, tudo quanto é “espírito ruim” das cidades, fazendo marcha e tudo, mas as cidades continuam do mesmo jeito? Aliás, se os “espíritos ruins” já foram “amarrados” uma vez, por que todo ano eles precisam ser “amarrados” de novo?

Por que se canta todos os dias “Hoje o meu milagre vai chegar”? Afinal, ele não chega nunca? Que dia está sendo chamado de “hoje”?

Por que Jó não cantou “restitui, eu quero de volta o que é meu”, nem declarou ou amarrou nada, muito menos participou de “campanha de libertação” quando perdeu tudo?

Por que nós nunca vamos ao médico e pedimos, “doutor, dá pra queimar essa enfermidade pra mim por favor”? Por que então se ora pedindo isso pra Deus? Seria correto orar assim pra Deus curar alguém enfermo por causa de queimadura?

Por que não se faz um mega-evento evangélico, desses que reúnem um milhão de pessoas ou mais, pra fazer um mutirão para distribuir alimentos aos pobres ou ainda para recolher o lixo da cidade? Aliás, por que se emporcalha tanto as cidades com óleo e outras coisas nos tais “atos proféticos”? Não seria um melhor testemunho limpá-la ao invés de sujá-la?

Por que as rádios evangélicas tocam tanta coisa produzida por gravadoras ricas e nada produzido por artistas independentes?

Por que se faz apelo ao fim de uma “pregação” que não fez qualquer menção ao sangue, à cruz, ao arrependimento, ou sequer ao pecado?

Por que Deuteronômio 28:13 (“o Senhor te porá por cabeça, e não por cauda”) é tão citado, ao passo que I Coríntios 4:11-13 (“somos considerados como o lixo do mundo”) ninguém gosta de citar?

Será que ninguém percebe que algo anda muito errado com o evangelicalismo brasileiro?

Eu só queria saber…

PENA com Teatro Mágico – É de dar pena!

 

Dá pena ver a arte possuída por Mamom. 

Há tanto de arte endemoninhada, possessa de cifrões. 

Tanto sempre a mais a conquistar como dominados. 

Tanto além do necessário pra viver livre e criando. 

Um tanto a mais que nos apequena.  

Eu ainda sinto que sei que sou um tanto

bem maior!

 

PENA

Compositor(es): Fernando Anitelli E Maíra Viana

 

O poeta pena
Quando cai o pano e o pano cai
Um sorriso por ingresso
Falta assunto, falta acesso
Talento traduzido em cédula
E a cédula tronco é cédula mãe solteira

O poeta pena
Quando cai o pano e o pano cai
Acordes em oferta
Cordel em promoção
A prosa presa em papel de bala
Música rara em liquidação

E quando o nó cegar
Deixa desatar em nós
Solta a prosa presa
Luz acesa
Lá se dorme um sol em mi menor

Eu sinto que sei que sou um tanto bem maior
Eu sinto que sei que sou um tanto bem maior

O palhaço pena
Quando cai o pano e o pano cai
A porcentagem e o verso
Rifa, tarifa e refrão
Talento provado em papel moeda
Poesia metamorfoseada em cifrão

O palhaço pena
Quando cai o pano e o pano cai
Meu museu em obras
Obras em leilão
Atalhos retalhos e sobras
A matemática da arte em papel de pão

E quando o nó cegar
Deixa desatar em nós
Solta a prosa presa
Luz acesa
Já se abre um sol em mi maior

Eu sinto que sei que sou um tanto bem maior
Eu sinto que sei que sou um tanto bem maior

Pós Modernidade – Contemporaneidade

Violencia, Identidade Cultural e Pós Modernidade

 

O OUTRO LADO – Carta ao Lula de Lao-Tsen de Araújo Dias.

 

 

 

 

CONFIRA a carta de Lao-Tsen de Araújo Dias,
ex-preso na ditadura e que vive no Rio.

Rio de Janeiro, 11 de janeiro de 2010.

 

 

                 Aos cuidados de

 

                 GILBERTO  CARVALHO

                 MINISTRO SECRETÁRIO DA

                 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

 

 

 

 

 

 

               Ao COMPANHEIRO LULA

 

 

                              O conflito se estabelece quando se esconde a VERDADE.

 

                              Somos de épocas diferentes na Política.

                              Assim como eu, que despertei no início dos anos 60, devido a renúncia de Jânio e o “impedimento” de JANGO assumir.

                              Você começou nos fins dos anos 70.

                              Estive, sem ser operário, em Vila Euclides e senti a força da Classe operária.  Muitos de nós contribuímos para esse  momento.

                              Tem gente que começou muito antes de nós, nos anos 30, como APOLÔNIO DE CARVALHO, que você conheceu bem.

                              Sim, APOLÔNIO DE CARVALHO, aquele que assinou a primeira ficha de filiação quando da fundação de nosso Partido dos Trabalhadores.

                              Digo nosso, porque participei da fundação de nosso Partido. No Rio de Janeiro, o meu registro na Justiça Eleitoral recebeu o número 14, Pois é, 14, quase 13, o nosso número.

                              Nesta questão do Plano Nacional de Direitos Humanos, tenho considerações a fazer:

                              Quem são os “criminosos”? Nós?

                              Quando o PT ainda não existia, partimos para defender  retorno da Democracia, contra aqueles que destituíram o Presidente constitucionalmente eleito ; JOÃO MARQUES BELCHIOR GOULART.

                              Quem sequestrou e violentou Homens e Mulheres, Crianças, deixando muitas  Famílias na orfandade até hoje?

                              Quem foi? Nós, que defendíamos o retorno a Democracia, ou que a destruíram?

                              Pela força das armas impuseram a ditadura por longos 25 anos.

                              Quem são os criminosos? Nós, que defendíamos  a Democracia ou eles que a aboliram?

                              Pois é Companheiro LULA, os  58.295.042 ( cinquenta e oito milhões , duzentos e noventa e cinco mil e quarenta e dois)  votos que o elegeram, foi fruto do esforço coletivo de todos os militantes, não só do PT, muitos de nós sobreviventes da ditadura.

                             APOLÔNIO DE CARVALHO foi um deles. Eu, você, todos nós, em diferentes graus de participação, sobrevivemos.

                             Crimes? Quem os cometeu? Nós?

                             A direita, em que parte dos militares operam, prenderam APOLÔNIO desde os anos 30, exilando-o, dentro e fora de nosso BRASIL, colocando-o na clandestinidade dentro de nosso próprio BRASIL que hoje você preside.

                             Pois é, estou citando APOLÔNIO para lembrar que o impediram, em seu  Governo ( BASTOS) de ser promovido a General de Brigada.

                             Que ironia, generais de escritório impediram APOLÔNIO de chegar ao posto de General, porque, alegou a direita, não tinha “cursos obrigatórios”….Não esclareceram à Nação que foram eles que impediram-no de ter os cursos teóricos. Sim, eles os teóricos que nem à Itália foram junto com os  PRACINHAS, que hoje repousam no Cemitério dos Pracinhas, aqui no Rio.

                            APOLÔNIO  no campo de batalha, com louvor  foi reconhecido por ter lutado como “Brigadista”, defendendo a República, contra o fascismo franquista.

                            Como MAQUIS comandou a Resistência no Sul da FRANÇA, ajudando a derrotar o nazismo.

                            Pois é, Companheiro LULA, os Pracinhas assassinados pelas balas nazistas/fascistas, tem, corretamente um Cemitério próprio, eu mesmo já fui lá , visitá-los, várias vezes, respeitando a Cultura   das Famílias  que  têm o direito de enterrarem seus mortos.

                            E os mortos ( assassinatos) que a ditadura produziu: onde estão?

                            Quando as Famílias e a Nação tomarão conhecimento da VERDADE do ocorrido? Quando?

                            O GOVÊRNO QUE VOCÊ PRESIDE NÃO PODE PASSAR PARA A HISTÒRIA COMO OCULTADOR DE CADAVERES.

                          

                            LULA, NÂO CAPITULE  frente a investida da direita. Não podemos viver a vida toda tutelado pela direita militar ou civil.

                            Quando você veio se “despedir” dos Amigos, antes da primeira posse, esteve na Casa de APOLÔNIO e RENÉE. Eu, a convite do casal estava presente e por isso, a título de lembrança, incluo a foto do momento.

                            LULA, infelizmente tive que telefonar para você dizendo que o APOLÔNIO tinha sido internado na Casa de Saúde Portugal, aqui no Rio e sugeri que você telefonasse para o Casal, o que você fêz, alem de mandar o Ministro da Saúde visita-los no Hospital.

                            Infelizmente, na sexta-feira, liguei de novo pedindo que você viesse ao Rio para o enterro do “VELHO” APOLÔNIO, e você veio, dando até carona à RENÉE, a meu pedido, até o Crematório.

 

                           LULA! LULA! LULA!    NÃO CAPITULE FRENTE A INVESTIDA MILITAR. Você esta respaldado pelos milhões de votos recebidos e pelo reconhecimento popular do bom governo que tem feito para os que até então estavam na “categoria”  “D” e “E”.  

                          NÃO RECUE. NÃO CAPITULE, VOCÊ É O COMANDANTE EM CHEFE.

                          Não aceite que joguem a pecha de “criminosos” a nós todos que reagimos a supressão das liberdades democráticas que eles mantiveram por longos 25 anos, quando, na verdade, criminosos foram eles que esquartejaram e sumiram com os restos mortais de suas vítimas.

                          Assim como subjugaram a Nação, pela REPRESSÃO armada, querem continuar tutelando a Democracia, que aboliram.

                          LULA, faça com que respeite os 58.295.042 votos obtidos. Você é mais que o Comandante em Chefe, você esta respaldado pelo POVO que reconhece o bom governo em relação as “Classes Populares”.

                          NÃO CAPITULE Companheiro LULA, os covardes da Condor, dos CODI-Doi,das OBANs e equivalentes, assim como coagiram ao silêncio ameaçando

os que estavam nas tropas . Se tiveram como política reprimirem os próprios camaradas de caserna, silenciando-os, NÂO PODEM CONTINUAR A FAZÊ-LO EM SEU ( NOSSO ) GOVÊRNO DEMOCRÀTICO.

                          As Conferências que chamaram a sociedade civil organizada para elaborarem políticas, não pode ser desprezadas nas conclusões  a que chegaram, após debate de dois anos consecutivos. Chega de golpe.

 

                         LULA, não CAPITULE. Quem cometeu crimes foram eles. O extermínio de opositores foi política de Governo, apoiados pela direita militar  e civil..

 

                         Dê o direito as Famílias dos vários RUBENS PAIVA de enterrarem os mortos que a ditadura produziu. pois é LULA, já que citei RUBENS PAIVA, recordo as palavras de seu filho, MARCELO, que disse, em entrevista:

                    “-  Me darei por satisfeito se, comprovadamente, me apresentarem UM DENTE, apenas UM DENTE que possa ser reconhecido como da arcada dentária de meu Pai”.

                        Pois é LULA, sequestraram RUBENS PAIVA, em sua própria Casa, junto com a esposa, que, até hoje não sabe seu estado civil, se casada ou viúva, em seu próprio carro, que depois devolveram COM RECIBO, comprovando que foi levado para a PE do Exército, no Rio, e depois montaram mais uma farsa, que envergonha, até hoje a Instituição Exército, assim como a conclusão do Rio Centro, dizendo que foram os “comunistas” que interceptaram o comboio militar que o transportava( para onde?) no Alto da Boa Vista, próximo ao quartel da PE………

                      Inacreditável LULA, tragicamente inacreditável.

 

                      Como, LULA, mesmo no campo das hipóteses considerar como “legais” toda a legislação dos Atos Institucionais, que foram fruto da força 

“manu militari” e não da força das urnas.

                      Considerar como válida a Lei da Anistia imposta, beneficiando a eles próprios, é concordar  com o golpe desfechado contra a Democracia, validando-o.

                      A tortura foi uma política de Estado, levada à prática pelos generais de plantão. Inventaram coisas que até KAFKA duvidaria, como decretos “secretos”

que copiaram da ditadura Vargas, que o fez , no sentido de impedimento de vistos de entrada para Judeus…pois é, nem original foram.

 

                      E os crimes cometidos pós Lei de Anistia, como o assassinato de Dona LYDA MONTEIRO, funcionária da OAB/RJ, na Câmara Municipal, que mutilou assessor de Vereador. e a bomba do Rio Centro, foram os “comunistas”/”terroristas”? 

                      Digitando sobre “terrorismo”, pergunto: quem ordenou a “missão” no Rio Centro. que, fatalmente atingiu um sargento, que ao montar a bomba em seu colo, a fez explodir, inclusive atingindo o oficial que estava a seu lado, e continuou no Exército, sendo promovido ? 

                      A “conclusão” do inquérito, assinada por JOB LORENA, envergonhou o Exército perante a Nação.

                      E o brigadeiro BURNIER, que determinou a “missão” de explodir o Gasômetro e a represa, ambos no Rio, com o intuito de incriminar “os comunistas”.

                      Qual a punição que coube ao Brigadeiro? Ao Capitão  SÉRGIO, do PARA-SAR, que se recusou levar adiante a “missão” assassina, foi “cassado” e não reintegrado à Aeronáutica.

                      

                      De recuo em recuo, de cumplicidade em cumplicidade, de estimulo a impunidade é que hoje nos deparamos com a reação subversiva da hierarquia, ao exigirem tornar sem efeito decreto assinado por Comandante em Chefe, que é você Presidente LULA.

 

                      Você LULA, esteve recentemente em Ato com a presença de duas sobreviventes da época. a DILMA e a INÊS ETIENNE ROMEU, sobrevivente da Casa dos Horrores, em Petrópolis.

 

                      RESPEITE-AS, NÃO RECUANDO.

 

 

                     Sei que seus auxiliares remeterão cópias para quem de direito…daqui a 30, ou 50 anos, os historiadores encontrarão esse texto nos arquivos da REPRESSÃO dos serviços de informações das forças armadas e similares.

                     Até lá, que a Democracia que pressupõe o respeito ao outro prevaleça, senão, começa tudo de novo.

 

          

                     A NAÇÃO TEM O DIREITO EM SABER A VERDADE.   NÃO CAPITULE.

 

                 

 

 

                    LAO-TSEN DE ARAUJO DIAS

                    IFP; 01952686-2

O OUTRO LADO – Carta Aberta ao Ministro Paulo Vannuchi – Por Alípio Freire.

Carta aberta a Paulo Vannuchi,

Ministro, Cidadão Brasileiro,

Companheiro e Amigo

Alipio Freire

Caro Paulo,
Acabo de tomar conhecimento da notícia (abaixo) sobre a ameaça de pedido de demissão do ministro da Defesa Nelson Jobim, e dos seus patronos, os comandantes das Três Armas, e da negociação encaminhada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
A indignidade e o golpismo desses setores representados pelo ministro Jobim e os três comandantes não nos surpreende. Não nos surpreende sequer a escolha dos momentos de maior desmobilização (como as festas de final de ano) para que façam suas chantagens e gerem crises: entre outras medidas, o Ato Institucional Número 5 também foi anunciado na noite de uma sexta-feira, às vésperas das festas de final de ano de 1968 (13 de dezembro).
Gostaria sinceramente de me orgulhar das nossas Forças Armadas, que nos deram homens da envergadura de João Cândido, Luiz Carlos Prestes, Apolônio de Carvalho, Henrique Dufles Teixeira Lott, Alfeu D’Alcântara Monteiro, Carlos Lamarca – para ficarmos apenas no universo dos nomes mais conhecidos publicamente, sem citar os milhares de Marco Antônio da Silva Lima, José Raimundo da Costa, Otacílio Pereira da Silva, José Mariane Alves Ferreira, Onofre Pinto e tantos outros, alguns dos quais constam da lista daqueles que foram assassinados e outros que, além de assassinados, tiveram seus cadáveres ocultados – os “desaparecidos”, por ordem de seus antigos companheiros de farda.
A verdade, porém, é que a cúpula atual das nossas Armas, em sua grande maioria, pouco difere daqueles energúmenos que rasgaram a nossa Constituição com o golpe de 1964, e instalaram o Terror de Estado, para garantir os privilégios da elite econômica, o esbulho da classe trabalhadora e do nosso povo, e instituir consignas aviltantes, do tipo “O que é bom para os Estados Unidos, é bom para o Brasil”. Assim, por maior que sejam a minha boa vontade e meu esforço nesse sentido, não há como nos orgulharmos de instituições comandadas por políticas desse tipo. Mas, um dia as mudaremos, também.
Sim, senhor Ministro; sim, Cidadão Paulo Vannuchi; sim meu amigo e companheiro de todas as lutas e jornadas pela democratização e aprofundamento da democracia em nosso país: esses senhores de hoje são os mesmos de sempre. São aqueles mesmos que, com base na truculenta Doutrina de Segurança Nacional forjada no War College de Washington no imediato pós Guerra, forjaram a Lei de Segurança Nacional – LSN, que vigorou durante a ditadura, até ser derrubada pelas nossas jornadas democráticas da segunda metade dos anos 1970 e início dos 1980. A mesma torpe e sinistra LSN que o senhor ministro da Defesa Nelson Jobim tenta hoje restaurar, a mando dos seus superiores (os comandantes das Três Armas), a serviço dos interesses que em 1964 empolgaram grande parte da cúpula militar de então. Uma Doutrina e uma Lei de Segurança Nacional que transforma a nossa classe trabalhadora, nosso povo e todos os democratas e homens e mulheres de bem deste País, em “inimigos internos”, e achincalha nosso Exército, Marinha e Aeronáutica, conferindo-lhes o papel de polícias, de forças repressivas contra os nossos melhores cidadãos e cidadãs. Uma Doutrina e Lei de Segurança Nacional que transformam, enfim, nossas Forças Armadas, em Forças de Ocupação Interna, para a defesa dos interesses dos grandes centros econômicos internacionais, retirando-lhes e invertendo, assim, o papel mais digno, honrado e decente que deveriam cumprir: o de defensores da nossa soberania, e fiadores da nossa Constituição.
A impostura que eles e seus representados têm utilizado, é a questão do “revanchismo”, cada vez que falamos responsabilização judicial e punição nos termos das leis da Nossa República, que devem ser aperfeiçoadas nesse sentido. E isto, ainda que, a rigor, sequer necessitemos mudanças na atual Lei da Anistia, para levarmos aos nossos tribunais de hoje, os celerados de antanho. A leitura e argumentos do professor e jurista Fábio Konder Comparato sobre o texto da Lei de Anistia em vigor, especialmente no que diz respeito aos “crimes conexos”, são suficientes para levarmos em frente os processos – e esses generais, brigadeiros e almirantes que ora se insubordinam, sabem disto.
E sabem também que “revanchismo” seria pretender que os acusados (diretos ou indiretos) de crimes de tortura fossem seqüestrados, levados para cárceres clandestinos onde permaneceriam desaparecidos durante o tempo que melhor aprouvesse aos seus seqüestradores; onde seriam interrogados sob as mais aviltantes torturas; e, depois, aqueles que sobrevivessem aos meses de incomunicabilidade e sevícias, que sobrevivessem ao chamado “terror dos porões”, fossem submetidos à farsa burlesca do julgamento nos tribunais de guerra. Esses senhores sabem muito bem que não nos propomos a isto a que fomos submetidos; que não nos propomos a qualquer terror que lembre, sequer aparentemente, os métodos por eles utilizados, e que agora tentam acobertar. Sabem muito bem que somos homens e mulheres formados em outros princípios, e que jamais nos utilizaríamos de qualquer dos seus métodos, ou com eles seríamos coniventes. O que pretendemos pura e simplesmente é apenas responsabilização judicial e punição nos termos das leis da nossa República, dos responsáveis diretos pelas torturas e de seus mandantes, garantindo-lhes todo o direito de assistência jurídica e de defesa.

Exercer e/ou aperfeiçoar os mecanismos legais que constituem a República, é praticar a democracia – pois, para nós, a democracia é o exercício permanente de direitos isonômicos, e não um palavreado ambíguo e balofo, um florilégio para ornamentar discursos autoritários de lobos travestidos de cordeiros, como as recentes chantagens de pedido de demissão e criação de uma crise militar, num momento em que os chamados movimentos e organizações da sociedade civil estão desmobilizados, o Congresso Nacional e demais esferas legislativas em recesso e, no que diz respeito ao Judiciário, o País está à mercê do arbítrio pessoal de um trânsfuga que ocupará a Presidência do Supremo Tribunal Federal até o próximo dia 31 de dezembro, o doutor Gilmar Mendes.

Obviamente, num quadro como o descrito acima, o armistício foi a saída imediata possível – até por que, uma guerra não se perde e não se ganha numa única batalha. Além disto, nenhuma vitória (bem como nenhuma derrota) é definitiva. O certo é que nessa medição de forças experimentada – cujo desfecho esperado pelo ministro Jobim e seus patrões, seria a queda do ministro da Secretaria Especial de Direitos Humanos – Paulo Vannuchi, tal não aconteceu e, se depender dos setores democráticos e mais bem informados do nosso povo, ao contrário do que pretendem os três comandantes militares (os homens fortes do Ministério da Defesa), quem poderá cair será o próprio senhor Nelson Jobim – o que entendemos, seria um grande avanço para a nossa ainda frágil democracia.

E não se trata de triunfalismo, ou efeito retórico: apesar da desmobilização de final de ano, lançado há apenas duas semanas, o Manifesto Contra Anistia a Torturadores, da Associação Juízes para a Democracia e dirigido  aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e ao Procurador Geral da República e que circula na internet (acesse http://www.ajd.org.br/contraanistia_port.php), já reuniu cerca de 10 mil assinaturas. Iremos reforçá-lo.

Sem dúvida, o respaldo do senhor Jobim – além dos tanques e baionetas, que encarnam apenas o braço armado de um conjunto de interesses econômicos e eleitorais – são aquelas mesmas forças que tramaram e organizaram há cerca de dois anos a crise dos aeroportos,  cuja culminância foi um dos maiores desastres aéreos dos últimos tempos, com mais de duas centenas de mortos, no aeroporto de Congonhas. Mas, que importância têm vidas humanas para ambições políticas, econômicas e pessoais de homens como o doutor Jobim e seus pares? O importante para eles é que toda a armação tramada resultou na queda do então ministro da Defesa, senhor Valdir Pires, e na ascensão do senhor Nelson Jobim.

Apenas para refrescar as nossas memórias, lembramos que, a primeira visita feita em São Paulo pelo ministro Jobim, depois de se deixar fotografar fantasiado de bombeiro entre os escombros do avião acidentado, foi ao seu amigo de longa data, o governador José Serra.

Entre outros, os interesses eleitoreiros da crise inaugurada neste 22 de dezembro de 2009 são tão óbvios, que nem merecem que os analisemos – sobretudo depois das sucessivas investidas neste sentido, ao longo deste ano (2009). Sobre o que eles prometem para o próximo ano, basta acessarmos “Reparação”, no link http://www.youtube.com/watch?v=8d61_1u1s2o – três minutos do trailer oficial do documentário longa-metragem que a direita lançará em 2010. Verdadeiro primor: o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, lado a lado com outros coristas da dimensão do jornalista Demétrio Magnoli e do acadêmico Marco Antônio Villa – sim, amigo Vannuchi, uma verdadeira quadrilha naturalista (talvez não tão naturalista…).

Mas, continuaremos as nossas batalhas – que não começaram ontem, nem acabarão amanhã. E temos ainda toda energia necessária para enfrentá-las e vencer. A mesma energia que nos garantiu poder chegar aos dias de hoje, de cabeça erguida, podendo olhar nos olhos de qualquer cidadão, pois jamais fomos reféns de quem quer que fosse, menos ainda, de canalhas.

A esse respeito, é muito interessante lermos e relermos cuidadosamente o depoimento (ver no pé desta mensagem) do coronel e torturador Carlos Alberto Brilhante Ustra, que comandou o DOI-COD e que está sendo processado por familiares de algumas das suas vítimas: uma obra prima de ameaças e chantagens contra seus superiores hierárquicos nos tempos da ditadura. Lá estão todos os nomes. É como se o senhor Ustra dissesse: “Não senhores, não cairei sozinho. Tratem de livrar a minha barra, pois, do contrário, arrasto todos comigo”. Imagine caro ministro Vannuchi, o pânico desses quatro senhores que ameaçaram criar uma crise militar… como se dizia em gíria de cadeia, “o maior sapo-seco”, “uma p… sugesta!”.

Pois é, meu Companheiro Vannucchi, nós seguiremos mais uma vez juntos, e até o fim, nesta nova trincheira onde, mais uma vez ainda, o que está em jogo é a classe trabalhadora, o povo e todos os/as democratas e homens e mulheres de bem deste País.

Com o mais forte e fraternal abraço,

ao Ministro, ao Cidadão Brasileiro, ao Companheiro e ao Amigo,

de Alipio Freire

 

Jobim faz carta de demissão após ameaça de mudar a Lei de Anistia

http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20091230/not_imp488515,0.php

 

Lula fecha acordo com ministro, que seria seguido por comandantes das Forças e

vê ‘revanchismo’ em Vannuchi

 

Christiane Samarco e

Eugênia Lopes,

BRASÍLIA

 

 

A terceira versão do Programa Nacional de Direitos Humanos (PNDH-3), que propõe a criação de uma comissão especial para revogar a Lei de Anistia de 1979, provocou uma crise militar na véspera do Natal e levou o ministro da Defesa, Nelson Jobim, a escrever uma carta de demissão e a procurar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no dia 22, na Base Aérea de Brasília, para entregar o cargo.

 

Solidários a Jobim, os três comandantes das Forças Armadas (Exército, Aeronáutica e Marinha) decidiram que também deixariam os cargos, se a saída de Jobim fosse consumada.

Na avaliação dos militares e do ministro Jobim, o PNDH-3, proposto pelo ministro Paulo Vannuchi, da Secretaria de Direitos Humanos, e lançado no dia 21 passado, tem trechos “revanchistas e provocativos”. Ao final de três dias de tensão, o presidente da República e o ministro da Defesa fizeram um acordo político: não se reescreve o texto do programa, mas as propostas da lei a serem enviadas ao Congresso não afrontarão as Forças Armadas e, se for preciso, a base governista será mobilizada para não aprovar textos de caráter revanchista.

Os comandantes militares transformaram Jobim em fiador desse acordo, mas disseram que a manutenção da Lei de Anistia é “ponto de honra”. As Forças Armadas tratam com “naturalidade institucional” o fato de os benefícios da lei e sua amplitude estarem hoje sob análise do Supremo Tribunal Federal – isso é decorrente de um processo legal que foi aberto na Justiça Federal de São Paulo contra os ex-coronéis e torturadores Carlos Alberto Brilhante Ustra e Audir Santos Maciel.

Além da proposta para revogar a Lei de Anistia, que está na diretriz que fala em acabar com “as leis remanescentes do período 1964-1985 que sejam contrárias à garantia dos Direitos Humanos”, outro ponto irritou os militares e, em especial, o ministro Jobim. Ele reclamou com Lula da quebra do “acordo tácito” para que os textos do PNDH-3 citassem as Forças Armadas e os movimentos civis da esquerda armada de oposição ao regime militar como alvos de possíveis processos “para examinar as violações de direitos humanos praticadas no contexto da repressão política no período 1964-1985”.

Jobim foi surpreendido com um texto sem referências aos grupos da esquerda armada. Os militares dizem que se essas investigações vão ficar a cargo de uma Comissão da Verdade, todos os fatos referentes ao regime militar devem ser investigados. “Se querem por coronel e general no banco dos réus, então também vamos botar a Dilma e o Franklin Martins”, disse um general da ativa ao Estado, referindo-se à ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, e ao ministro de Comunicação Social, que participaram da luta armada. “Não me venham falar em processo para militar pois a maioria nem está mais nos quartéis de hoje”, acrescentou o general.

Os militares também consideram “picuinha” e “provocação” a proposta de Vannuchi de uma lei “proibindo que logradouros, atos e próprios nacionais e prédios públicos recebam nomes de pessoas que praticaram crimes de lesa-humanidade”. “Estamos engolindo sapo atrás de sapo”, resumiu o general, que pediu anonimato por não poder se manifestar.

SOLIDARIEDADE

A decisão de Jobim entregar o cargo foi tomada no dia 21 e teve, inicialmente, o apoio dos comandantes Juniti Saito (Aeronáutica) e Enzo Peri (Exército). Consultado por telefone, porque estava no Rio, o comandante da Marinha, almirante Moura Neto, também aderiu. Diante da tensão, Lula acertou que se encontraria com Jobim em Brasília, na volta da viagem que havia feito ao Rio, para inaugurar casas populares no complexo do Alemão e visitar obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Na conversa, Lula rejeitou a entrega da carta de demissão e disse que contornaria politicamente o problema. Pediu que o ministro garantisse aos comandantes militares que o Planalto não seria porta-voz de medidas que revogassem a Lei de Anistia. Os militares acataram a decisão, mas reclamaram da posição “vacilante” do Planalto e do “ambiente de constantes provocações” criado pela secretaria de Vannuchi e o ministro da Justiça, Tarso Genro. Incomodaram-se também com o que avaliaram como “empenho eleitoral excessivo” da ministra Dilma no apoio a Vannuchi. “Lula age assim: empurra a crise com a barriga e a gente nunca sai desse ambiente de ameaça”, protestou um brigadeiro em entrevista ao Estado.

Para as Forças Armadas, a cerimônia de premiação de vítimas da ditadura, no dia 21, foi “uma armação” para constranger militares, tendo Dilma como figura central, não só por ter sido torturada, mas por ter chorado e escolhido a ocasião para exibir o novo visual de cabelos curtíssimos, depois da quimioterapia para tratamento de um câncer linfático. COLABOROU RUI NOGUEIRA

ENTENDA O CASO

As divergências entre os ministros em torno da Comissão da Verdade arrastam-se há um ano

Dezembro/2008: A 11.ª Conferência Nacional de Direitos Humanos encaminha ao governo orientação para que seja criada a Comissão da Verdade e Justiça. No encontro, os enviados do Ministério da Defesa votam contra

Janeiro/2009: Vannuchi estimula a sociedade a discutir a comissão e começa a redigir uma proposta. Acreditava-se que seria criada por decreto presidencial

Julho: Começa o debate com a Defesa. Jobim quer uma comissão de reconciliação

Outubro: Vannuchi deixa de lado o tom judiciário, mas insiste na abertura de arquivos que estariam poder dos militares

Novembro: O impasse leva o Planalto a adiar o anúncio do Programa de Direitos Humanos

Dezembro: O termo reconciliação é incluído na proposta e anuncia-se que o governo encaminhará ao Congresso um projeto de lei propondo a criação da comissão

 

30/11 – Ministério Público Militar ouve o coronel Ustra sobre seu comando no DOI/CODI/II Exército
A procuradora de Justiça Militar em São Paulo Hevelize Jourdan Covas Pereira esteve em Brasília para ouvir um dos ex-comandantes do Destacamento de Operações de Informações – Centro de Operações de Defesa Interna – DOI-CODI, coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra. O militar reformado esteve dia 15 de outubro do corrente ano na Corregedoria da Justiça Militar em Brasília, onde foi ouvido pela procuradora sobre o o período em que que comandava o DOI/CODI/II Exército.

No depoimento o coronel Ustral declarou que quando chegou em São Paulo, na primeira quinzena de 1970, o terrorismo aumentava cada vez mais, principalmemte no estado de São Paulo e no Rio de Janeiro ; que os Órgãos Policiais foram, assim, surpeendidos pois estavam despreparados para enfrentar as aà �ões terroristas, até mesmo em São Paulo com a atuação da Operação Bandeirante (OBAN ), órgão subordinado ao II Exército, que atuou no combate ao terrorismo no período de 27/06/1969 a 28/09/1970.

Que, em face disso, o Presidente da República elaborou a Diretriz de Segurança Interna, que deu poderes aos Generais de Exército, Comandantes Militares de Área, para o combate ao terrorismo.

Que em cada Comando de Área foi criado um Conselho de Defesa Interna (CONDI), um Centro de Operações de Defesa Interna (CODI) e um Destacamento de Operações de Informações (DOI), sendo este um órgão de informações e combate às organizações terroristas, subordinado ao General de Exército Comandante Militar da Área.
Que a sua atuação no DOI/CODI/II Ex abrangeu o período de 29/09/1970 a 23/01/1974.

Que, no dia 28 de setembro de 1970, foi chamado ao gabinete do Comandante do II Exército, General José Canavarro Pere ira, que lhe disse: “Major, amanhã o senhor assumirá o comando do DOI/CODI/II Ex. Estamos numa guerra. Vá assuma e comande com dignidade”; que seria, assim, o primeiro comandante do DOI/CODI/II Ex.
Que o DOI/CODI/II Ex substituiu a Operação Bandeirante (OBAN ).

Que, a partir desse dia, a sua vida, a de sua esposa e a de sua filha passaram a estar sob risco, com ameaças constantes; que a vida dos seus familiares era de sacrifícios e de privações, assim como a vida de seus subordinados.

Que, quando chegou tranferido para São Paulo, no início de 1970, os terroristas já haviam assaltado mais de trezentos bancos e carros fortes; encaminharam mais de trezentos militantes para cursos em Cuba e na China; atacaram quartéis e roubaram armas; incendiaram várias radiopatrulhas; explodiram dezenas de bombas, sendo a mais significativa a colocada no Aeroporto de Guararapes, Recife, que ocasionou duas mortes e treze feridos graves; destacou-s e também o atentado ao Quartel General do II Exército , onde morreu o soldado Mario Kosel Filho e ficaram feridos 5 soldados e um coronel, além de causar grandes danos às instalações militares; assassinaram 66 pessoas, sendo 20 policiais militares, 7 militares, 7 policiais civis, 10 guardas de segurança e 22 civis e sequestrados três diplomatas.

Que o trabalho de informação era muito grande; que o DOI/CODI era constituído de várias seções; que realizava trabalho de escuta telefônica permitido pela Justiça Militar; que baseavam-se na infiltração e na cooptação de informantes.
Que o terrorista preso era conduzido ao DOI/CODI/II Ex; que o interrogatório era feito em uma sala por um interrogador; que, quando o terrorista chegava, normalmente, já dispunham de informações preliminares.

Que o interregatório culminava com depoimento escrito de próprio punho, que, depois de analisado, já servia de novas fontes para futuros in terrogatórios; informações estas que se encontram registradas nos autos dos inquéritos.

Que concluído o Interrogatório Preliminar, o preso era encaminhado ao DOPS/SP mediante ofício do General Chefe do Estado Maior do II Exército, que também era o chefe do CODI, onde era aberto o Inquérito Policial, que uma vez concluído era encaminhado à uma das duas Auditorias da 2ª Circunscrição Judiciária Militar, para julgamento.

Que junto com o preso seguiam para o DOPS, além da Declaração de Próprio Punho, uma síntese do seu envolvimento com as organizações terroristas que atuavam no país.

Que estão, portanto, registrados nos processos elaborados pelas Auditorias Militares de São Paulo, os nomes de todas as pessoas presas pelo DOI/II Ex, as circunstâncias de sua prisão, os motivos porque foram a julgamento.

Que o conhecimento prévio era obtido algumas vezes pela colaboração de presos arrependidos, pelo intenso trabalho de informações e infiltrações.

Que os terroristas eram colocados, inicialmente, em celas, e, após isso, ocorria o interrogatório. Que não existia violência; o que pode ter ocorrido, seria algum excesso, como forma de defesa a alguma reação violenta no ato da prisão.

Que a alegação de uso de violência durante interrotório visa ao recebimento de indenizações, mas crê que o principal propósito dos opositores é de revanchismo, vingança, citando a declaração de Ivan Seixas, filho de Joaquim Alencar Seixas – que, o pai de Ivan Seixas, com o concurso de cinco pessoas integrantes de organizações terroristas, às vésperas de sua prisão, em 16/04/1971, assassinaram o industrial Henning Albert Boilesen -, que em entrevista de Ivan Seixas, publicada no O Nacional em 01/04/1987, ele afima que `prendi, torturei e matei o seu pai a pauladas`; que, neste dia, encontrava-se baixado ao Hospital Geral de São Paulo.

Sobre o caso Herzog, disse que passou o comando do DOI/II Ex em 23/01/1974 e que o caso Herzog aconteceu posteriormente, portanto, não durante o seu comando; que conversou com o encarregado do inquérito, que afirmou ter sido realmente suicídio; que soube que Vladimir Herzog fazia tratamento psiquiátrico; que o mesmo não apresentou marcas de tortura; que o interrogador não o liberou após o depoimento, talvez, por achar que tivesse de questionar mais alguma coisa; que, durante o intervalo do almoço, houve o suicídio.

Que o interrogatório era feito de forma normal e que os terroristas eram pessoas preparadas para negarem a verdade dos fatos , orientados a jamais delatarem seus companheiros e preparados para o suicídio.

Que nunca prendeu um inocente; que o único caso ocorrido foi a prisão, por engano, por panfletagem armada, de um jovem, que foi imediatamente liberado.

Reafirmou que os terroristas eram pessoas preparada s para morrer ou matar sem piedade; que, entre outros objetivos, buscava-se obter do preso informações acerca do seu próximo encontro com militantes.

Que se afirma que 37 pessoas foram mortas no DOI/CODI/II Ex, durante seu comando, apresentando relação com dados completos das pessoas citadas;.

Que estes 37 militantes não morreram no DOI/CODI/II EX, morreram nas ruas em combate com os seus subordinados, ou, então, quando reagiam ou tentavam a fuga em “Pontos Normais”, “Pontos de Polícia” ou em “Pontos Frios.

Que quando morriam em uma destas situações, não era possível solicitar perícia local, pois os terroristas agiam com cobertura armada, havendo risco de ataque aos agentes que preservavam o local; que o corpo era levado ao DOI, sendo feito contato com o DOPS, para encaminhamento ao IML, para autópsia e abertura de inquérito.
Que para cada um dos 37 mortos foi aberto um Inquérito Policial, que esses inqu éritos, com os nomes completos dos presos, as causas de suas mortes, as circuntâncias em que vieram a falecer, o laudo do IML e as ações criminosas que praticaram podem ser encontrados na 1ª ou na 2ª Auditoria da 2ª Circunscrição Judiciária Militar, em São Paulo ou no STM.

Quanto ao paradeiro dos desaparecidos, disse que os 10 desaparecidos a ele atribuídos, no período que comandou o DOI/II Ex, nenhum deles esteve sob a sua guarda ou responsabilidade, que os desconhece, nunca os viu.

Que o número de desaparecidos é maldosamente explorado, sempre aumentado por seus opositores, citando o exemplo de Hiroaki Torigoe, cuja morte em combate na rua, foi publicada em jornal, com o nome falso que usava o seu nome verdadeiro e sua fotografia..

Que muitos dos que eles relacionam como desaparecidos. na realidade eram mortos, que usavam documentação falsa.

Que uma pessoa que obtivesse uma identidade falsa, caso desej asse voltar a usar o seu nome verdadeiro, só poderia fazê-lo com autorização da Justiça, como foi o caso de Carlos Augusto Lima Paz , que recebeu, em 1972, do PC do B, uma identidade falsa com o nome de Raimundo Cardoso de Freitas, que em 1985 entrou na justiça para retomar sua real identidade, mas não teve sucesso.

Que, quando um terrorista usando uma identidade obtida de modo criminoso, morria em combate, após os procedimentos para proceder à identificação, era enterrado com o nome falso, sendo a situação de dupla identidade declarada no inquérito policial.

Que passado o prazo legal de cinco anos, se a família não se manifestasse, a própria administração do cemitério, como é usual, transferia os ossos para uma vala comum.

Quanto à cadeia de comando a que se submetia à frente do DOI, disse que legalmente e fielmente, cumpriu as ordens do Presidente da República, General Emílio Garrastazu Médici, que assinou a Diretriz que criou os DOI; do Ministro do Exército, General Orlando Geisel; dos comandantes do II Exército, Generais José Canavarro Pereira e Humberto de Souza Mello; dos chefes do EM II Exército, Generais Ernani Ayrosa da Silva, Enéas Martins Nogueira e Mário de Souza Pinto; e do Chefe do Centro de Informações do Exército (CIE), General Milton Tavares de Souza..

Que no DOI cumpriu, rigorosamente, as ordens emanadas de seus superiores; que nunca recebeu uma ordem absurda, nem emitiu nenhuma determinação desse tipo; que jamais fez prisões ilegais, permitiu torturas, abusos sexuais, homicídios, desaparecimentos forçados e ocultação de cadáveres.

Que jamais foi chamado à atenção por qualquer dos chefes citados; que foi agraciado pelo Ministro do Exército com a mais alta condecoração, por ter cumprido o dever, sob risco de vida; que o Exército Brasileiro é uma Instituição Nacional Permanente e que crê ser ele quem deve dar a devida resposta a esses detratores, dentro da lei e no interesse da Justiça; que omissão nunca foi característica das suas tradições em nenhuma época; que não faz parte de sua História perder os anéis para salvar os dedos; que certamente, será assim neste momento.

Que desejando que a História não seja deturpada e que os fatos narrados pelo declarante sejam comprovados como verdadeiros, arrola como suas testemunhas: o Senador da República Romeu Tuma, que acompanhou e viveu a situação de violência da época e o trabalho do DOI/II Ex, já que, como delegado da Polícia Civil, era o elemento de ligação entre o Comando do II Exército e o Departamento de Ordem Política e Social (DOPS), órgão no qual estava lotado; os oficiais do Exército Brasileiro ocupantes, no momento de sua oitiva neste processo, das funções de Comandante do Exército Brasileiro, Comandante Militar do Sudeste, Chefe do Estado Maior do Sudeste e Chefe do Centro de Inteligência do Exército (CIE), que hoje são os substitutos legais dos chefes, que, na época de seu comando do DOI/II Ex, deram-lhe as ordens cumpridas, rigorosamente