Paulo Freire foi anistiado!

Educador Paulo Freire é anistiado 45 anos após exílio

 

 

Brasília, 26/11/09 (MJ) – Na presença de mais de 3 mil professores e educadores de todas as regiões do Brasil e de outros 22 países, a Comissão de Anistia do Ministério da Justiça concedeu a anistia política post mortem ao educador Paulo Freire, falecido em 1997. A cerimônia, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília, foi marcada pela emoção e pela homenagem ao pernambucano que revolucionou as técnicas de ensino em todo o mundo.

 

Realizado no âmbito do Fórum Mundial de Educação Profissional e Tecnológica, organizado pelo Ministério da Educação, o julgamento do processo foi feito por uma turma especial da Comissão de Anistia. Presente na cerimônia, a viúva, Ana Maria Araújo Freire, se emocionou ao falar do marido. “Hoje, Paulo, você pode descansar em paz. Sua cidadania plena, sem vazios e sem lacunas, foi restaurada, como você queria, e proclamada, como você merece”, disse.

 

O presidente da Comissão de Anistia, Paulo Abrão, disse que o pedido de desculpas em nome do Estado brasileiro também era direcionado aos milhões de brasileiros e brasileiras que deixaram de ser alfabetizados e emancipados por Freire. A extinção do Plano Nacional de Alfabetização, que levaria o “método Paulo Freire” a todo o país, foi um dos primeiros atos do regime autoritário, após o golpe de 1964.

 

O educador pernambucano foi afastado da coordenação do Plano Nacional, instituído meses antes pelo MEC, e aposentado compulsoriamente da cadeira de professor de História e Filosofia da Universidade Federal de Pernambuco. Após ser preso por 70 dias em uma cadeia de Olinda (PE), partiu para o exílio, retornando ao Brasil somente em 1980.

 

Em razão da perseguição política que resultou em 16 anos de exílio, a Comissão de Anistia concedeu indenização de R$ 100 mil – teto da prestação única, que prevê 30 salários mínimos para cada ano de perseguição comprovada.

 

Caravana da Anistia

 

Projeto educativo da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, a Caravana da Anistia promove sessões públicas em todo o país. Desde abril de 2008, percorreu 16 estados e julgou mais de 500 processos. Além de resgatar a memória política do país, o projeto pretende aproximar os jovens da temática da luta pela democracia e dar mais transparência aos critérios de julgamento.

 

A 31ª edição foi realizada em parceria com o Instituto Paulo Freire e com o apoio das seguintes instituições: comissões de Educação da Câmara e do Senado, Ministério da Educação, Unesco, Associação dos Juízes para a Democracia, Instituto Catarinense de Aprendizagem e Educação Infantil (ICAE), Movimento dos Sem Terra (MST), Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e Associação Brasileira de Ensino do Direito (ABEDI).

 

Presente no auditório lotado, o professor baiano José Luis dos Santos, de 48 anos, comemorou a anistia de Paulo Freire com um tambor. Emocionado, disse que o educador é uma influência permanente em sua vida. “Paulo Freire faz com que as pessoas entendam a sua história e, a partir disso, mudem a sua realidade”, disse. “A anistia é o Brasil se reencontrando com sua história e caminhando para o futuro”.

 

Leia aqui artigo do assessor especial da Presidência da República Selvino Heck, com mensagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre anistia de Paulo Freire.

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: