Sem percepção não há solução

Dicas compartilhadas pelo Pastor Levi Araújo

 

       

STEPHENCOVEYhenrinouwenANSELMGRÜNstevejobsSUNTSEpeterdruckereOUTros.

         

TEMA DA SEMANA- Sem PERCEPÇÃO não há solução.        

  

DICA do Stephen R. Covey

              

Se quisermos MODIFICAR uma situação, primeiro temos de modificar a NÓS MESMOS. E para nos modificar EFETIVAMENTE, antes temos de modificar as nossas PERCEPÇÕES.   

             

DICA do Henri Nouwen

                         

SOLITUDE é o jardim para nossos corações que anseiam por amor. Este é o lugar onde o nosso desejo de estar só pode frutificar. É o lar de nossos corpos cansados e mentes ansiosas. (-) Não é um lugar fácil de estar, uma vez que somos tão inseguros e temerosos que facilmente podemos ser distraídos por qualquer coisa que prometa satisfação imediata. Solitude NÃO satisfaz imediatamente, pois é em solitude que ENCONTRAMOS nossos demônios, nossos vícios, nossos sentimentos de luxúria e raiva, e nossa IMENSA NECESSIDADE DE reconhecimento e aprovação.

                                                                                                          

DICA do Peter Drucker

 

Quanto mais especializados forem os conhecimentos, mais eficazes eles serão. Os melhores radiologistas não são aqueles que mais conhecem a respeito de medicina; são os especialistas que SABEM como obter IMAGENS DO INTERIOR DO CORPO HUMANO. 

                                                                   

DICA do Anselm Grün

                                 

O desejo ensina-me o CRESCIMENTO INTERIOR, para que cresça sempre mais para dentro da imagem que projetei de mim. Contudo, PRECISO EXAMINAR CONSTANTEMENTE a imagem que tenho de mim se ela corresponde à minha natureza ou se é UMA ILUSÃO da qual gostaria de FUGIR DA REALIDADE.

 

DICA do Steve Jobs

 

Quando você começa a olhar um problema e acha que ele é simples, você NÃO COMPREENDE quão realmente complexo é.    

        

DICA do Sun TSE        

                   

Com um CONHECIMENTO EXATO do terreno, um general pode sair-se bem das mais críticas circunstâncias.

                               

DICA do Levi

 

Uma frase de um poema de PABLO NERUDA: “Eu tenho precisão de ME SABER…”

Uma frase do Salmo 139: “Senhor, Tu me sondastes e me conheces…”

Uma Pergunta feita por Deus a um Patriarca: “Qual é o teu nome?”

Uma palavra: PERCEBA-SE!

 

Alegria e Esperança contra o Pessimismo e o Desânimo.

Para a SEMANA (17 a 23 de maio de 2009) Dicas compartilhadas pelo Pastor Levi Araújo

STEPHENCOVEYhenrinouwenANSELMGRÜNstevejobsSUNTSEpeterdruckereOUTros.

 

TEMA DA SEMANA- ALEGRIA e ESPERANÇA contra o pessimismo e o desânimo.

 

DICA do Stephen R. Covey

O tipo de reação que faz uma pessoa “soltar as algemas”, tornar-se “liberada”, “auto=afirmar-se” e “cuidar da própria vida” revela com frequência dependências mais ENRAIZADAS, das quais não se pode fugir, porque são internas e não externas – dependências tais como deixar as fraquezas das outras pessoas arruinarem sua vida emocional, ou como sentir-se vitima de pessoas ou eventos que estão fora do seu controle.

DICA do Henri Nouwen

 

O otimismo e a ESPERANÇA são atitudes radicalmente diferentes. O otimismo é a expectativa de que as coisas – o tempo, as relações humanas, a economia e a situação política etc. – irão melhorar. E esperança é a confiança de que Deus cumprirá suas promessas para nós, de forma a nos levar à verdadeira liberdade. O otimismo fala sobre mudanças concretas no futuro. A pessoa que tem esperança vive o momento com O CONHECIMENTO E A CONFIANÇA DE QUE tudo na vida está em boas mãos. TODOS os grandes lideres espirituais da história foram pessoas de esperança. Abraão, Moisés, Rute, Maria, Jesus, Rumi, Gandhi e Dorothy Day. TODOS eles viveram com uma promessa em seus corações que os guiou para o futuro sem que sentissem a necessidade de saber exatamente como ele seria. Vamos VIVER COM ESPERANÇA.

 

DICA do Peter Drucker

A doutrina OTIMISTA, que de inicio conferiu à vida nesse mundo um significado integral, conduziu diretamente à glorificação da auto-imolação nazista como o único ato em que o homem pode existir SIGNIFICATIVAMENTE.

 

DICA do Anselm Grün

Assim acontece com o desejo: também ele proporciona uma experiência própria de felicidade. É a felicidade que vem a nós, que nos espera. E esta felicidade QUE ESPERAMOS já está em nós pelo desejo. É indestrutível precisamente por ainda não estar presente e porque, em última instância, só a receberemos, plenamente em Deus. Os Pais da Igreja falavam de uma ALEGRIA INDESTRUTÍVEL, que não nos pode ser tirada nem mesmo pela doença ou pela desgraça. DICA do Steve Jobs CELEBRE as realizações com bom gosto e percepção.

 

DICA do Sun TSE

Se, ao percorreres as fileiras de teu exército, perceberes vácuos, preenche-os; se encontrares excessos, reduze-os; se deparares com DESÂNIMO, elimina-o.

 

DICA do Levi

“Um coração ALEGRE FACILITA a cura, um espírito abatido resseca os membros.” “Alegrai-vos SEMPRE no Senhor!”

RElendo DEUS é a Mãe!

 

Feliz DIA DAS MÃES!

 

 

Deus é a Mãe! (11/05/2008).
Por Levi Araújo


Uma baixa auto-estima e uma alta e exagerada autoconfiança distorcem a visão que temos da vida e comprometem uma interpretação lúcida de quem realmente somos.
Igualmente, uma dependência alienante ou uma independência umbigolatra podem refletir duas maneiras diferentes de ser escravo.
Hoje em dia nós temos acesso a muitos saberes e olhares que nos apresentam cosmovisões e crenças com as mais variadas sugestões para que sejamos os capitães de nossas almas e existência. E isso não é ruim de todo.
Todavia, este chamado saudável para sermos os respondedores das demandas que a vida nos apresenta não pode prescindir de uma dependência por mim reputada como vital.
Mais do que sermos criança, e mais do que receber Deus como Pai, nós precisamos olhar, sentir e abraçar Deus como a nossa Mamãe do Céu.
Como faz bem sabermos que temos um Pai que fica de cócoras para falar conosco sem que precisemos erguer os nossos pescoços. Um pai que em sua postura de identificação amorosa termina horizontalizando a nossa relação com a divindade e o místico.
Mas eu penso que precisamos um pouco mais……….
Precisamos ser criança desmamada, satisfeita e quase adormecida em um colo quente provedor e protetor.
Nós precisamos ver a  mãe que há em Deus ou a Mãe que Deus é.  
E aqui para nós, Deus é uma Senhora Mamãe.
Não é de hoje que os poetas são verdadeiros profetas.
Na bíblia sagrada, há livros denominados sapienciais e entre estas jóias de sabedoria estão os Salmos.
A maioria dos salmos bíblicos foi escrita por Davi, um Rei que também era músico e poeta.
Os salmos bíblicos são orações que revelam as nossas humanidades com tanta intensidade que algumas dessas orações são chamadas de os gritos da alma humana. É por isso que em dias de angustia e dor um salmo bíblico sempre trará uma identificação necessária e vital para quem precisa de alento.
Uma dessas orações profecias que nos lançam no colo materno de Deus está no salmo numero 131.
 

Senhor, o meu coração não é orgulhoso e os meus olhos não são arrogantes.
Não me envolvo com coisas grandiosas nem maravilhosas demais para mim.
De fato, acalmei e tranqüilizei a minha alma.
Sou como uma criança recém-amamentada por sua mãe; a minha alma é como essa criança.
Ponha a sua esperança no Senhor, ó Israel, desde agora e para sempre!
Em tempos onde há Pais Monstros e Madrastas Megeras, nós precisamos do embalo aconchegante do colo materno de Deus para redefinirmos a nossa compreensão de auto-estima, autoconfiança, dependência e independência.
E mesmo se formos patinhos feios ou cisnes narcisos, sempre haverá uma maternidade divinamente responsável que nos levará ao começo das curas que tanto almejamos. 
Quem sabe, possamos aproveitar a data comercial do dia das mães para nos aproximarmos mais de todas nossas mães.
Ainda em maio, procure momentos de quietude e leia, releia e ore o Salmo 131 até acalmar e tranqüilizar a sua alma e seja como uma criança no colo da Grande Mamãe.
Penso que assim nós teremos alguma chance de revisarmos ou redefinirmos o nosso jeito de olhar e sentir a vida, os outros e a nós mesmos.

CHEIO DO ESPIRITO SANTO

Cheio do Espírito Santo

Por Levi Araújo

 

Tem um ninho, sabe cantar, sabe voar, é apenas um passarinho e isso é gentil, ser um passarinho”. Rubem Braga

 

Encher-se de algo, alguém ou algum lugar é absolutamente humano.

E o que não faltam na vida são situações, circunstancias, locais e pessoas profundamente desconfortáveis e desagradáveis.

Em casos similares a melhor coisa a fazer é voar para bem longe como aconselha o poeta: “voai, voai, voai, voai passarinho, voai”.

Até porque, parafraseando outro gênio da literatura: “alguns passarão e outros passarinho.”

Mas, por outro lado, como é bom ficar encharcado de leveza após alguns encontros cheios de emoções, vida e acolhimento.

Saciar-se de gestos e palavras de carinho de quem lhe quer bem é algo renovador e uma santa catarse.

Ontem eu voltei cheio de tudo de bom do Estado do Espírito Santo.

Em minha rápida passagem por Vitória e na Praia do Canto eu pude olhar para olhos marejados e sorrisos graciosos e falar para ouvidos atentos e corações acolhedores.

Alguns dos muitos amigos amados daquele estado me fizeram confirmar mais uma vez que os marcos divinos em histórias pessoais jamais podem ser apagados e esquecidos.

Eu voltei cheio do Espírito Santo porque reencontrei parte dos meus queridos, retornei novamente saciado de mais um estado que faz parte da minha história pessoal e ministerial.

Agradeço emocionado ao nosso Deus e à juventude e liderança da Igreja Batista da Praia do Canto. Valeu!

Encerro oferecendo a vocês uma crônica do maravilhoso romancista, cronista, tradutor e jornalista capixaba, o poeta Rubem Braga.

Ah, só para constar…, entre condes e Passarinhos eu também fico com os passarinhos.

 

O CONDE e o PASSARINHO – Rubem Braga

 

Acontece que o Conde Matarazzo estava passeando pelo parque. O Conde Matarazzo é um Conde muito velho, que tem muitas fábricas. Tem também muitas honras. Uma delas consiste em uma preciosa medalhinha de ouro que o Conde exibia à lapela, amarrada a uma fitinha. Era uma condecoração (sem trocadilho).

Ora, aconteceu também um passarinho. No parque havia um passarinho. E esses dois personagens – o Conde e o passarinho – foram os únicos da singular história narrada pelo Diário de São Paulo.

Devo confessar preliminarmente que, entre um Conde e um passarinho, prefiro um passarinho. Torço pelo passarinho. Não é por nada. Nem sei mesmo explicar essa preferência. Afinal de contas, um passarinho canta e voa. O Conde não sabe gorjear nem voar. O Conde gorjeia com apitos de usinas, barulheiras enormes, de fábricas espalhadas pelo Brasil, vozes dos operários, dos teares, das máquinas de aço e de carne que trabalham para o Conde. O Conde gorjeia com o dinheiro que entra e sai de seus cofres, o Conde é um industrial, e o Conde é Conde porque é industrial. O passarinho não é industrial, não é Conde, não tem fábricas. Tem um ninho, sabe cantar, sabe voar, é apenas um passarinho e isso é gentil, ser um passarinho.

Eu quisera ser um passarinho. Não, um passarinho, não. Uma ave maior, mais triste. Eu quisera ser um urubu.

Entretanto, eu não quisera ser Conde. A minha vida sempre foi orientada pelo fato de eu não pretender ser Conde. Não amo os Condes. Também não amo os industriais. Que eu amo? Pierina e pouco mais. Pierina e a vida, duas coisas que se confundem hoje, e amanhã mais se confundirão na morte.

Entendo por vida o fato de um homem viver fumando nos três primeiros bancos e falando ao motorneiro. Ainda ontem ou anteontem assim escrevi. O essencial é falar ao motorneiro. O povo deve falar ao motorneiro. Se o motorneiro se fizer de surdo, o povo deve puxar a aba do paletó do motorneiro. Em geral, nessas circunstâncias, o motorneiro dá um coice. Então o povo deve agarrar o motorneiro, apoderar-se da manivela, colocar o bonde a nove pontos, cortar o motorneiro em pedacinhos e comê-lo com farofa.

Quando eu era calouro de Direito, aconteceu que uma turma de calouros assaltou um bonde. Foi um assalto imortal. Marcamos no relógio quanto nos deu na cabeça, e declaramos que a passagem era grátis. O motorneiro e o condutor perderam, rápida e violentamente, o exercício de suas funções. Perderam também os bonés. Os bonés eram os símbolos do poder.

Desde aquele momento perdi o respeito por todos os motorneiros e condutores. Aquilo foi apenas uma boa molecagem. Paciência. A vida também é uma imensa molecagem. Molecagem podre. Quando poderás ser um urubu, meu velho Rubem?

Mas voltemos ao Conde e ao passarinho. Ora, o Conde estava passeando e veio o passarinho. O Conde desejou ser que nem o seu patrício, o outro Francisco, o Francisco da Umbria, para conversar com o passarinho. Mas não era aquele, o São Francisco de Assis, era apenas o Conde Francisco Matarazzo. Porém, ficou encantado ao reparar que o passarinho voava para ele. O Conde ergueu as mãos, feito uma criança, feito um santo. Mas não eram mãos de criança nem de santo, eram mãos de Conde industrial. O passarinho desviou e se dirigiu firme para o peito do Conde. Ia bicar seu coração? Não, ele não era um bicho grande de bico forte, não era, por exemplo, um urubu, era apenas um passarinho. Bicou a fitinha, puxou, saiu voando com a fitinha e com a medalha.

O Conde ficou muito aborrecido, achou muita graça. Ora essa! Que passarinho mais esquisito!

Isso foi o que o Diário de São Paulo contou. O passarinho, a esta hora assim, está voando, com a medalhinha no bico. Em que peito a colocareis, irmão passarinho? Voai, voai, voai por entre as chaminés do Conde, varando as fábricas do Conde, sobre as máquinas de carne que trabalham para o Conde, voai, voai, voai, voai, passarinho, voai.